domingo, 22 de março de 2015

Golpes no Bilhete Único!

Ontem, dia 21 de março, sábado, fui carregar o bilhete único lá na Estação de Metrô da República. Paguei R$ 20,00 de crédito, mas já tinha no cartão um de saldo, R$ 3,50. No entanto, quando recebi o comprovante de recarga, o saldo anterior estava zerado. Totalizando apenas os R$ 20,00.

Desconfiei de que estavam roubando os créditos antes. Isto porque pelo menos por duas vezes notei que não tinham os saldos anteriores no bilhete, quando fui carregar o cartão. Poderia ser uma impressão minha. Então, ontem, ao passar na catraca do ônibus, prestei a atenção no saldo restante, e que é mostrado em um monitor. E estava lá exatamente R$ 3,50.

Desci no Terminal Bandeira de ônibus. Pois, eu estava vindo do bairro para a cidade. E no caminho para a Praça da República, na Rua 7 de Abril, pensei no que faria, caso confirmasse o roubo. Se eu iria reclamar de imediato. Ou se calava, para pensar em um procedimento mais cauteloso, afim de flagrar o crime. Isto é, pensar em um meio de conseguir a prova do crime. Isto porque normalmente não tem como provar de que foi vítima de roubo. Não para esse caso. Salvo alguém resolvesse investigar.

Mesmo assim, se o Ministério Público, ou alguma autoridade conseguisse provar de que houve o roubo, certamente descobriria de que foi muito mais, porque eu não seria um único caso. E provavelmente o responsável seria punido de maneira discreta, e o seu nome não apareceria nas mídias. E entraria apenas como mais um caso de corrupção endêmica no país.

No Brasil tem muitos casos de roubos, serviços mal feitos, impunidades, abusos de poder etc., aonde não aparecem os nomes. As mídias estão recheadas desses casos, aonde só aparecem as instituições responsáveis.

A saída, no meu ver, é pegar o nome do responsável (ou responsáveis), divulgá-lo(s), e cobrar das autoridades a devida punição. Somente assim é que acabaria com as impunidades. É preciso dar os nomes aos bois.

Mas infelizmente ontem decidi pela primeira opção. Isto é, reclamei. E é claro, a funcionária que me atendeu disse que não teria o que fazer, porque o sistema é automático, que ela estava lá apenas como funcionária etc. Evidentemente. Nesse caso, não teria culpados. Um álibi perfeito para o roubo. Porque o dinheiro iria para alguém, e ninguém sabe quem, ou aonde.

E evidentemente os responsáveis vão esconder o golpe, escapando assim do flagrante. Infelizmente.

Alertei então, a outros clientes a não carregarem os seus bilhetes naquele quiosque. Certamente que a funcionária não gostou da minha atitude. Fui embora, já alterado. Subi para a praça afim de procurar algo para comer (estava na hora do almoço e com fome). Mas os preços dos salgadinhos eram por demais caros e abusivos. Desisti, e voltei para a estação. Como vi que tinha mais gente a carregar os bilhetes únicos, alertei-os de novo.

Foi quando a funcionária do quiosque disse que eu estava ferindo a dignidade dela e pediu para que eu esperasse, que ela iria chamar alguém para resolver o problema. Então, deixei claro para os clientes da fila de que ela é apenas uma funcionária, e que não tinha nada a ver (será?). E que eu estou exercendo a cidadania, alertando as pessoas sobre o golpe.

Saí do lugar, pensando em como conseguir flagrar esse tipo de crime. Pois, se não fizemos nada, este país continuará do jeito como está: Com a má fama de ser uma terra de corruptos, aonde o crime compensa, a justiça é falha, e a incompetência impera. E para esses casos, não há manifestação pública que resolva. Mesmo que tenha mais de dois milhões de pessoas na Av. Paulista. Pois, o problema não está nos políticos, e sim, no comportamento do povo.


quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Zadoque está voltando nas suas atividades

Depois de um período indefinido de estagnação, resolvi voltar a mexer no site pessoal, blog, redes sociais etc. É que eu estava com outros problemas a serem resolvidos. Então, a primeira novidade a ser transmitida é a revitalização da lista de sebos. Veja no seguinte endereço:


Novas inserções serão feitas nos próximos dias. Por favor, aguardem!

terça-feira, 10 de junho de 2014

Catálogo de Livros de volta! Depois de anos desativado!

Voltei de novo a publicar a lista de livros na Internet. Mas desta vez, são os  livros, revistas e outras publicações da minha biblioteca pessoal, e que pretendo desfazer. Isto sem recorrer a outros meios como sites de vendas (Mercado Livre, por exemplo), ou intermediadores de livros (como o Livronauta, Sebos Online etc.). A intenção também é de desenvolver um modelo alternativo de venda de livros.

Faz um certo tempo atrás, vi um sujeito a puxar um carrinho cheio de livros, e que ele pretendia vender nos sebos existentes na região do Centro Velho da cidade de São Paulo. Presenciei a recusa por parte de um sebeiro em comprar os livros. Obviamente que não precisam deles, uma vez que todos os dias chegam novos vendedores de livros próprios. Na maioria das vezes, creio eu, tratam-se de uma necessidade involuntária, por questões financeiras.

Isto porque suponho que dificilmente alguém iria desfazer do seu acervo, ou parte dele. Muitas vezes é porque precisa de dinheiro mesmo. Ou, tratasse de algum parente, que tivesse nas mãos os livros de algum finado ente bibliófilo. Já presenciei isso, no caso de uma falecida professora. Veja em...

http://zadoque.com/2010/bibliotecas-01.php

Eu mesmo passei por situações constrangedoras de carregar os livros, a peregrinar nos sebos, e voltar para a casa com eles. É lastimável. Pois, a sensação que tive é de que eu estava como que pedindo para os sebeiros comprarem os livros. Ao mesmo tempo em que percebia que eles sabem muito bem que têm o queijo e a faca nas mãos. Isto é, o controle da situação.

Poder fazer do teu acervo uma forma razoável de renda é bom. Uma vez que você fez o investimento nele. E não vai querer desfazê-lo por um preço abaixo do desejado. Logo abaixo está a primeira lista de livros que pretendo desfazer. A mesma lista está no seguinte endereço:

http://zadoque.com/CataLivros.php

E você pode acompanhar no Twitter (@ZadoqueImages), e através do hastag #ZdBooks.

Atenção: Esta lista é dinâmica, de modo que em poucos dias o seu conteúdo pode ser alterado.

  1. Art Now International Inc. - Gallery guide. December 1993/January 1994 - Latin/America. 56 p. ilust., 21,5 cm.
  2. Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) - Planos de fuga - Uma exposição em obras (catálogo). 32 p. ilust., 21,1 cm. Trabalhos de: Carla Zaccagnini, cildo Meireles, Claudia Andujar, Cristiano Rennó, Gabriel Sierra, Gordon Matta-Clark, Marcius Galan, Mauro Restiffe, Renata Lucas, Rivane Neuenschwander, Robert Kinmont e Sara Ramo. Obs.: Carimbo “www.zadoque.com/” na última página.
  3. Dep. de Sociologia - FFLCH - USP - Plural* (revista acadêmica). 1º semestre de 1997. São Paulo, 1997. 68 p., 23 cm. *Revista do programa de pós-graduação em sociologia. Página envelhecida, e com um pequeno rasco na beirada. Trata-se de uma extensa lista de produções bibliográficas.
  4. Editorial Sol 90 - Ludwig van Beethoven. (Grandes Compositores, 4). Capa dura, 52 p. ilust. + CD de música. 13,1 x 14,4 cm.
  5. Editorial Sol 90 - Frédéric Chopin. (Grandes Compositores, 6). Capa dura, 52 p. ilust. + CD de música, 13,1 x 14,4 cm.
  6. Editorial Sol 90 - Richard Wagner. (Grandes Compositores, 17). Capa dura, 52 p. ilust. + CD de música, 13,1 x 14,4 cm.
  7. Fundação Japão - Japão, 1971 - 1984, O homem e a vida (periódico/catálogo). Tokyo, Fundação Japão, 1985. 28 p. ilust., 26,1 cm. Capa em couché, envelhecido e marcado; com uma marca de orelha na base desta.
  8. MELO, José Marques de (ed.) - Communication for a new world - Brazilian Perspectives. São Paulo, ECA-USP, 1993. 383 p., 22,8 cm.
  9. MIS - Antonio Jorge Colangelo (catálogo). 1990. (Série Foto de Autor). 8 p. ilust. (incluindo as capas), 21,5 cm.
  10. NAKAGAWA, Rosely - Ano-luz - Fotografias - Luiz Braga (catálogo). São Paulo / Belém, MASP / Galeria Theodoro Braga, 1992. 16 p. ilust., 21 x 21 cm.
  11. Prefeitura Municipal de Sto. André & Sec. de Educação Cultura e Esportes - 4ª Exposição da Fotografia Contemporanea - Santo André (catálogo). 1987. 8 p. ilust. + a capa, 21 x 21 cm.
  12. Royal Philharmonic Orchestra / Mediasat Group S.A. - Franz Schubert. (12) Capa dura com 59 p. ilust. + CD de música, 13 x 14,3 cm. Obs.: Carimbo na 1ª e 57ª página: “Saldo” (da Livraria Saraiva).
  13. Royal Philharmonic Orchestra / Mediasat Group S.A. - Frédéric Chopin. (2) Capa dura com 59 p. ilust. + CD de música, 13 x 14,3 cm.
  14. Royal Philharmonic Orchestra / Mediasat Group S.A. - Wolfgang Amadeus Mozart. (1) Capa dura com 59 p. ilust. + CD de música, 13 x 14,3 cm.
  15. ...

//





segunda-feira, 9 de junho de 2014

Mudanças no Zadoque.com!

O site Zadoque.com (antes conhecido como Página de Zadoque), tem agora a sua linha editorial a ser redefinida: Serão retiradas todas as listas existentes. A começar, a lista de Sebos da Grande São Paulo. As razões:
  1. Dei uma olhada em vários sites de classificados e de endereços. E constatei que a maioria tem os recursos muito além do que os que disponho no site. A começar, o Google Maps superou os mapas que exponho. E de troca, o Google Street permite “viajar” nos próprios endereços. Eu poderia colocar esses recursos no Zadoque.com, mas logo vi que teria de competir com esses grandes sites, que são constituidos de profissionais especializados em publicidades e comunicação. Ao contrário, trabalho sozinho, e com propósitos bem distintos. E nisso vi que seria bem melhor se investisse justamente na minha área predileta:
  2. Zadoque é um artista plástico, e que criou um site com o intuito de ganhar dinheiro. Na verdade, quando isto aconteceu, eu estava dentro da faculdade, e desesperado porque não tinha uma forma de rendimento, e que pudesse harmonizar com o curso em que estava fazendo. E nesse ponto, a lista de sebos foi o começo, como uma tentativa de ganhar dinheiro, vendendo as informações ou divulgações. Na verdade, cheguei a ganhar com os anúncios. Mas logo vi que não compensava. Pois...
  3. Os possíveis anunciantes potenciais não estavam nem aí. Tanto os sebeiros (livreiros alfarrabistas) como os donos e responsáveis pela venda de toca-discos, discos de vinil, CDs etc. Na verdade, quando optam em anunciar, evidentemente que recorrem às agências de comunicações, sites de classificados etc. Tal como mencionei no primeiro item, e que não é a minha praia.
  4. Os internautas acreditam piamente de que na Internet encontra-se de tudo. E com efeito, são vários concorrentes a entulhar a Rede de informações. E todos de graça! o que leva a um outro mito:
  5. Na Internet tudo é de graça, e que pode ser copiado livremente. Para que pagar por algo que você pode encontrar mais tarde por aí? Certamente que tiveram de pagar o provedor de acesso, e que não é barato. Nesse caso, certamente vão considerar que já pagou tudo o que devia.

Evidentemente que a Internet permite lucrar, e que dá para ganhar um bom pro labore. É uma questão de habilidade, vocação e persistência. Mas no meu caso, eu estava insistindo em um caminho que não tem dado certo. O que me levou agora a reformular a linha editorial do site. E que em breve será manifestada. E tornará uma surpresa para muitos.


quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Um sebo a menos em São Paulo... E mais um atravessador virtual de livros usados

A implosão continua. Desta vez é o Sebo Liberdade da Av. Liberdade. Foi para a 5ª dimensão. Por que será?

Suponho que seja por causa de um atravessador de venda de livros, e que provocou uma pequena turbulência mudança de paradigma no comércio de livros usados. E depois, surgiram outros, para competir.

Esta foi uma das razões porque decidi não ser um atravessador virtual de livros usados. Isto foi em 2004, quando vi que não iria dar conta para desenvolver toda uma estrutura de um intermediador de venda de livros de terceiros. E o pior: Ter de competir nessa área que não é exatamente a minha. Na época acabou surgindo um. Agora são 5 (se é que não teriam mais). Vocês podem conferir no seguinte endereço:

http://zadoque.com/Livros02.php#portais_de_livros

No momento só resta o Sebo Liberdade da Praça Carlos Gomes, 124.

Pelo visto, confirma a minha previsão de que a concorrência iria ser grande.

Das últimas vezes em que estive no centro da cidade, deparei a ausência de duas vitrines de livros na entrada de um prédio. Lá, está um dos sebos antigos e tradicionais de São Paulo. A explicação: Corte de verbas. Pois, o seu dono achava que estava gastando as despesas inutilmente, e que não estava vendendo os livros. Exceto no Estante Virtual.

Antes, o mesmo tinha tirado o seu site do ar. Alegava de que não vendia nada nele, e sim, no Estante Virtual. Eu ia perguntá-lo se um site se destinava somente para isso. Não seria também para divulgar os trabalhos e/ou produtos de seus proprietários?

A pouca distância deste sebo tem um outro, também dentro de um prédio, lá na Rua 7 de Abril, 264 (exatamente aonde ficava o antigo Sebo 264). Mas trata-se de um outro sebo: O Flanarte. Fica lá no fundo, e fora da visão para quem que vai pegar o elevador. No entanto, mantém uma vitrine bem na entrada do edifício.

Além deste, o sebo mais antigo da cidade de São Paulo - A Livraria e Antiquária Calil - que fica na Rua Barão de Itapetininga, 88, mantém uma vitrine logo na entrada deste.

Achei a situação um pouco hilariante. Principalmente quando se sabe que muitos sebos estão na dependência deste atravessador virtual.

Por outro lado... Surge mais um atravessador virtual de venda de livros: O Mega Leitores. E que promete oferecer lojas virtuais para quem que pretenda aventurar-se no mundo de sebos. Isto é, além de livros, também quem que esteja disposto a vender seus CDs, DVDs e LPs. Para que tenha uma idéia do seu acervo, veja as imagens desta página:

http://zadoque.com/MegaLeitores.php

...

É para pensar.

terça-feira, 27 de agosto de 2013

A nova Página de Zadoque já está pronta!

A estrutura já está pronta faz três dias atrás. E ontem (dia 26) consegui postar alguns artigos no servidor. Foram exatamente dois meses em que o site ficou fora do ar. E durante todo esse tempo, trabalhei para desenvolver uma nova apresentação. Agora vocês têm um site com páginas interativas, para acessar a conteúdos diferenciados.

Nesses próximos dias terei o trabalho de preparar os demais conteúdos para serem atualizados. Não serão todos.


Os conteúdos diferenciados

Pegando a lista de sebos como exemplo, ao entrar na página vão encontrar apenas os nomes das lojas com seus endereços, telefones, URL e E-mails. Mas quando se faz o cadastro, que é gratuito, e depois, entrar com o teu nome e senha, perceberá que a lista é bem mais completa: Os sebos têm pequenos resumos (não todos), e são apresentados os mapas.

Da mesma forma serão trabalhados outros conteúdos e temáticas: A parte simplificada, para leituras rápidas. A resumida, para quem que precise de mais informações. E depois, vem a parte detalhada, com mais informações. Mas que pede-se uma contribuição para manter o site e o seu autor.

Mesmo quem não estiver afim de contribuir financeiramente, existe uma outra opção. Por favor, dê uma olhada no site.


Um novo projeto em andamento

Depois que os conteúdos principais tiverem sidos atualizados, um novo site vai entrar no ar, e que trabalhará em conjunto com o zadoque.com. Se você gosta de desafios e de aventuras, vai gostar.


terça-feira, 20 de agosto de 2013

Vai demorar um pouco o novo site

A nova Página de Zadoque está sendo construída, e boa parte da estrutura já está pronta. Apenas faltam certos detalhes, e o preparo dos conteúdos a serem repostos. Como todas as páginas vão ser interativas, a demora tornou-se inevitável.

Para antecipar as novidades:
  • Arquivos em PHP, no lugar de HTML
  • Conteúdos interativos, e com vários níveis de informações.
  • Os scripts são exclusivamente para essas interatividades. Ficando fora os mecanismos de busca e contadores de visitas: Serão utilizados os serviços prontos.
  • A aparência das páginas estão simplificadas, para facilitar a leitura e a impressão.
  • ...

Aguardem mais um pouco.